WeWorld
 

Operamosna India

A HISTÓRIA DE SEJAL

“Sejal é uma menina brilhante, ativa e muito esforçada na esSEJAL WeWorldcola. A família da Sejal é muito pobre e os seus pais labutam diariamente para alimentar seus cinco filhos. O pai dela é um motorista de riquixá (veiculo de duas rodas para uma ou duas pessoas puxada por uma pessoa a pé ou de bicicleta) e a mãe trabalha só ocasionalmente. Eles moram na favela de Sathaglli, localizada no leste da cidade de Mysore, a 6 km do centro, onde vivem mais de 300 famílias.

Sejal adora ir à escola e frequenta regularmente reuniões do “Child Right Club”, onde está aprendendo o que são os direitos das crianças e outras questões relacionadas à infância.

Um dia, os pais de Sejal decidiram interromper a educação dela e organizar seu casamento com um homem muito mais velho. O casamento precoce é, infelizmente, uma prática difundida na Índia, pois libera as famílias de uma pessoa para alimentar e também é uma forma de controlar a sexualidade das meninas e evitar relacionamentos pré-matrimoniais.

Sejal se opôs fortemente e avisou a nossa equipe pedindo ajuda para reverter o casamento. Nós imediatamente fomos até a casa da menina, conversamos com os pais dela, tentando convence-os a mudar de idéia sobre o destino da Sejal. Os pais então participaram de encontros de sensibilização para aumentar seus conhecimentos sobre os riscos e desvantagens dos casamentos precoces, o que os ajudou a entender a importância da educação para as meninas.

Hoje a Sejal está muito feliz porque, graças à sua teimosia e à nossa intervenção, conseguiu impedir o casamento e, mais importante ainda, conseguiu continuar seus estudos e realizar seus sonhos.”

Paola, operadora da WeWorld na Índia.

 

A situação  na Índia

A Índia é um dos maiores países do mundo, com uma população de 1,28 bilhões (estimativa de 2017) e está dividida em 29 estados e 7 divisões administrativas, com 20 línguas oficialmente reconhecidas.

A Índia ocupa o 131º lugar entre 188 países, segundo o Índice de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas-2016 (um índice usado para medir o bem-estar de um país e que se baseia na expectativa de vida, nível de educação e produto interno bruto – PIB por habitante) com 30% da população vivendo abaixo da linha da pobreza.

A economia diversificada da Índia inclui a agricultura tradicional, a agricultura moderna, o artesanato, uma ampla gama de indústrias modernas e uma multiplicidade de serviços. Pouco menos da metade da força de trabalho é usada na agricultura, mas os serviços são a principal fonte de renda.

Apesar do crescimento da Índia abrandar em 2017 (menos de 7%), as perspectivas de crescimento a longo prazo no país são moderadamente positivas, devido a uma população muito jovem (mais de 45% da população tem menos de 24 anos), baixa taxa de dependência, boas taxas de investimento e crescente integração na economia global. O PIB indiano per capita chega a US $ 7.200, enquanto o PIB per capita italiano chega a US $ 38.000 ( 2017).

Porém, esse crescimento não é inclusivo: 21,9% das pessoas vivem abaixo da linha da pobreza e os desafios de longo prazo permanecem significativos: a Índia infelizmente tem um sistema ineficiente de produção e distribuição de energia; a aplicação ineficaz dos direitos de propriedade intelectual, os transportes e a infraestrutura agrícola são inadequados e limitam as oportunidades de emprego em outros setores que não seja a agricultura.

Os principais desafios reconhecidos como obstáculos ao crescimento econômico da Índia são: discriminação contra meninas, adolescentes e mulheres; altos custos e subsídios mal direcionados, acesso inadequado a uma educação básica e superior de qualidade e a migração interna do contexto rural para o urbano (taxa de urbanização anual de 2,28%). (fonte: CIA World FactBook).

 

Como intervimos

O nosso Programa País para a Índia, de 2017 a 2020, concentra as suas intervenções na abordagem das principais deficiências do país com o objetivo de contribuir para o crescimento inclusivo sustentável e de longo prazo:

  1. acabar com a discriminação contra mulheres e meninas com um novo programa nos Estados de Goa e do Karnataka do norte;
  2. Melhorar a acessibilidade para os mais pobres aos subsídios públicos disponibilizados por vários esquemas governamentais;
  3. Assegurar uma melhor qualidade de educação nas escolas através da intervenção direta e alavancando com os programas e os recursos do governo;
  4. Garantir o direito de aprender aos filhos de famílias de migrantes sazonais.