WeWorld
28 setembro 2017

FORMAÇÃO SOBRE MODELOS DE CONVIVÊNCIA COM O SEMIÁRIDO ALCANÇA MAIS DE 1.200 EDUCADORES DO SERTÃO DO CEARÁ.

 

“As formações que fazem parte do Projeto Contexto: Educação, Gênero, Emancipação, alcançou mais de 1.200 educadores durante as formações, que foram realizadas durante todo o mês de agosto”.

Com a proposta de contextualizar o ensino em sala de aula à realidade de educadores e estudantes que vivem no Semiárido, o Projeto “Contexto: Educação, Gênero, Emancipação”, realizou formações com o tema “Os Modelos de Convivência com o Semiárido”, durante todo o mês de agosto em escolas do Sertão Central e Sertão de Crateús/Inhamuns.

Somente nesse primeiro ciclo de oficinas, foi possível mobilizar 126 escolas, envolvendo no total mais de 1.500 participantes, sendo 1.200 só de educadores. “A equipe percorreu mais de 7.000 km entre as escolas que receberam as formações, estamos muito otimistas com a forma que o projeto está sendo abraçado pelas escolas e, principalmente, pelos educadores que estão participando das atividades”, ressaltou o Coordenador do Projeto, Rosângelo Marcelino.

Além dos educadores, técnicos das secretarias de educação dos 20 municípios participantes estiveram presentes na formação para acompanhar e ser parte do processo de transformação social e educacional de sua região. De forma didática e interativa, a oficina fez uma ampla abordagem sobre o conceito do Semiárido, desde um panorama nacional, regional e local, aos princípios da educação contextualizada, as experiências dos quintais produtivos, as mandalas, a agrofloresta, o sistema bioágua, além de um olhar crítico sobre o que se fala da seca no Nordeste e o que representa a realidade de quem convive nessa região.

Em quatro municípios que já possuem a educação contextualizada de forma universalizada, como política pública, e o processo de formação para os educadores encontra-se mais adiantado, o projeto levantou outras temáticas também importantes dentro da proposta de levar aos professores assuntos que fazem parte da realidade e convivência dos alunos. Em Quiterianópolis e Tamboril, o tema escolhido foi sobre a água, já em Nova Russas foi abordado sobre as sementes. No município de Ipaporanga, os educadores receberam uma formação em Mediação de Conflitos e Práticas Restaurativas, ministrada pela Pastoral do Menor Regional NE 1.

Para a Secretária de Educação do município de Solonópole, Gorete Pinto, o projeto vem proporcionando uma importante oportunidade de transformar uma visão construída ao longo de gerações. “Eu tive esse mesmo olhar opaco do semiárido, vindo dos meus pais e avós, por isso sei da importância de se trabalhar com essa temática dentro da escola e apresentar as muitas riquezas e oportunidades que estão a nossa volta, está sendo um prazer ter o projeto em nosso município”, disse.

Em seus nove anos de estrada na educação, o Professor Camilo Freitas, disse ter se surpreendido com a abordagem sobre o semiárido apresentada na oficina e as muitas alternativas que podem ser encontradas em sua região. “Confesso que na formação percebi que eu tinha a mesma percepção que recebemos desses livros que tratam da seca, e em poucas horas de conversa, entendemos as muitas alternativas que só dependem de nós, como o reaproveitamento da água das chuvas, além da própria temática que acreditava ser exclusiva da disciplina de Geografia, e agora, já estou com várias ideias, vou trabalhar com meus alunos já na próxima semana dentro do Gênero Textual”, pontuou o professor que leciona Português, na Escola Antônio Benigno Bezerra, no Distrito de Palmas, em Solonópole.

Para atender os 20 municípios que participam do projeto, foram formadas equipes de pedagogos, que se dividiram e buscaram apresentar a educação contextualizada de forma dinâmica, apontando uma metodologia de ensino que é interdisciplinar e dentro da realidade que eles já estão inseridos. “No início tínhamos receio que houvesse uma resistência por parte dos professores, mas, os educadores estão muito receptivos, eles tem participado na íntegra, estamos utilizando várias ferramentas didáticas e conseguindo mostrar que não estamos tratando de nada distante do que eles já fazem em sala de aula” disse a Pedagoga do Projeto, Viviane Brás, especialista na temática sobre o semiárido.

Ela explica que os professores e alunos podem ser protagonistas de uma mudança e transformação social a partir do conhecimento de si mesmo e de sua história. “O semiárido brasileiro tem o maior índice pluviométrico do mundo, precisamos desconstruir essa imagem negativa da falta de chuva, de um povo sofrido e sem alternativas, temos muitas ferramentas para conviver com o semiárido, e podemos tornar os alunos protagonistas dessa mudança”,  disse a Pedagoga, que atende ao projeto pela Cáritas Diocesana de Crateús, responsável pelas formações desse primeiro módulo.

Co-financiado pela União Europeia e a ONG We World Onlus, o projeto Contexto: Educação, Gênero, Emancipação, reúne uma rede de organizações, com expertises em educação contextualizada, pedagogia da alternância, práticas restaurativas e cultura de paz, além de assuntos voltados para o gênero e combate à violência contra a mulher. Participam como realizadoras do projeto a afiliada no Brasil da We World Onlus e as organizações Cáritas Diocesana de Crateús, Instituto Maria da Penha, Associação de Cooperação Agrícola do Ceará (ACACE), ESPLAR, Associação de Escola Agrícola Dom Fragoso (EFA) e a Pastoral do MenorNE1, sendo a maior iniciativa projetual já realizada envolvendo a mobilização e aplicação da educação contextualizada nas escolas públicas municipais no Estado do Ceará.

Durante todo o mês de agosto, as formações conseguiram percorrer todos os 20 municípios participantes do projeto, sendo eles: Ipaporanga, Tamboril, Quiterianópolis, Nova Russas, Ararendá, Boa Viagem, Crateús, Dep. Irapuan Pinheiro, Ipueiras, Madalena, Milhã, Mombaça, Nova Russas, Novo Oriente, Pedra Branca, Piquet Carneiro, Poranga, Quiterianópolis, Quixeramobim, Senador Pompeu, Solonópole, Tamboril e Tauá.

Fonte: Assessoria de Comunicação We World Brasil

 

Fonte: Assessoria de Comunicação We World Brasil

 

Realização:

 

Apoio:

logo RESAB 1.

 

 

 

 

 

 

 Co- Financiado Por:

EUROPEAN UNION