WeWorld
 

Operamosno Quênia

A HISTÓRIA DE MARIE

 

3.3.3.Kenya_BolloStoria

“O meu primeiro encontro com Marie foi chocante. A situação era crítica. A mãe era tão pobre que não conseguia atender às necessidades da criança. Com lágrimas nos olhos, confessou-me que, se as condições não melhorassem, logo seria obrigada a abandoná-la. Marie estava muito desnutrida e, provavelmente, não teria vivido mais do que cinco anos, como acontece, infelizmente, com mais de 122.000 crianças todos os anos.

Conseguimos fornecer a Marie comida e os cuidados médicos de que necessitava. Inserimos a mãe no programa que prevê o reforço das capacidades de microempreendedorismo das mulheres.

Revi Marie recentemente está bem e já começou a frequentar a escolar.”

Annarita, Operadora WeWorld no Quênia.

 

A situação no Quênia

 Segundo a UNDP, o Quênia está entre os países em vias de desenvolvimento. De fato, em 2014, chegou ao 147° lugar em um ranking de 187 países por índice de desenvolvimento humano. Na última década, o Quênia investiu muito para o crescimento do país e se tornou o fulcro econômico da África Oriental. Infelizmente, os desacordos ligados às eleições de 2007 e, em seguida, as de 2013, escreveram uma página sombria para a feroz violência que se gerou entre tribos, a qual marcou um episódio de suspensão e paralização para a nação e o seu desenvolvimento socioeconômico. A província de Nyanza, onde está localizada principalmente a nossa primeira intervenção, é densamente povoada: 665 habitantes por km². Isto significa que a população exerce uma forte pressão sobre a terra, a qual é dividida em pedaços agrícolas cada vez menores e pouco rentáveis. A pressão demográfica está colocando à dura prova os serviços sociais de base, tais como a saúde e a educação. Uma taxa de desemprego que alcança os 50% unida ao analfabetismo, à falta de infraestruturas, à desigualdade de gênero e a adoção de práticas de utilização do território não sustentáveis contribuem para o degrado dos recursos naturais e para o empobrecimento. De fato, uma ampla faixa da população vive com menos de 1 dólar por dia, e se estima que 46,6% da população do condado vive em condições de pobreza extrema. Além disso, Nyanza é a província com a mais alta difusão de AIDS, depois de Nairobi, e a maior concentração de crianças órfãs ou vulneráveis por causa do vírus. A malária é endêmica, a higiene escarça e o difícil acesso a fontes de água seguras provocam infecções muitas vezes letais para os menores. Embora a escola seja gratuita, 33% da população ainda é analfabeta.

 

Como intervimos

No Quênia, concentramos os nossos esforços nos setores da educação, da saúde e da oportunidade para as famílias. A nossa intervenção nas escolas tem o objetivo de melhorar a qualidade da educação para que um número grande de alunos possa ir para a escola e sonhar com um futuro melhor. Para sensibilizar os pais sobre a importância da educação e da saúde, organizamos também manifestações escolares, durante as quais as crianças explicam aos pais o que aprendem sobre as doenças, a prevenção e a higiene. A nossa atividade envolve diretamente também os pais, com os quais organizamos cursos de formação, alfabetização para os adultos e acesso ao microcrédito para lhes oferecer novas oportunidades para o futuro. Além disso, asseguramos uma assistência sanitária às crianças soropositivo, fornecendo-lhes assistência médica, psicológica e uma nova casa para aquelas órfãs.